Agora a homossexualidade é doença?

Ontem à noite fiquei sabendo da decisão da Justiça que abriu a possibilidade de a homossexualidade ser tratada como doença.

Para quem não sabe, a OMS (organização mundial de saúde) admitiu em 1990 que a homossexualidade não é uma doença.

Todos os dias pessoas da comunidade LGBTQ+ são violentad@s, assassinad@s… E tudo isso por causa de pessoas homofóbicas, que acreditam que se apaixonar por alguém do mesmo sexo é errado. Que ser diferente do comum e homogêneo é inadequado.

Pessoas sem amor no coração que querem fazer justiça com as próprias mãos. Pessoas que acham que tem dentro de si toda a verdade do que é bom ou ruim. Pessoas sem empatia, que não percebem que tem algo de errado com a humanidade quando alguém é agredido apenas por ser diferente.

Sabem o que acontece de verdade? Os seres humanos sentem MEDO do que é diferente. TEMEM aquilo que não compreendem, e por isso tentam eliminar antes que seus EGOS e ORGULHOS fracos sejam feridos.

… E este é o maior mal da sociedade. Se analisarmos com cuidado, a maioria das mazelas da humanidade tem como raiz o ego e o orgulho. De formas diversas sim, mas parte daí. Seres ínfimos que somos, não sabemos lidar com aquilo que ameaça nosso “Status Quo”. Do ponto de vista espiritual, somos ainda bebês, melando nossas fraldas e engatinhando nesse planeta Terra que é ainda como uma creche de espíritos.

É, gente… Temos muito o que aprender. Mas, de todas as coisas que ainda precisamos melhorar, torço para que a compreensão do AMOR seja a primeira delas. O amor verdadeiro, que não olha gênero, cor, opinião, crença… Apenas ama.

 

 

K I S S E S 💋 K I S S E S

4 thoughts on “Agora a homossexualidade é doença?

  1. isto tudo é uma loucura deles, para aparecer e sair na mídia, olha se te cabimento qualquer leigo no assunto sabe que não é doença e não tem cura ,pois amar é o maior dom da vida e pra isso não há cura graças a Deus …

    1. Infelizmente algumas pessoas ainda acham que isso é anormal. Mas, bem… Torço para que aos poucos as pessoas se conscientizem. Ou ao mesmo respeitem o diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *